Header Ads

test

Calouros indígenas e quilombolas recebem boas vindas à Ufopa

Ritual de celebração entre indígenas e quilombolas Foto Josemir Moreira


“Nós somos a Universidade do coração da Amazônia e não seríamos essa universidade sem vocês aqui. A Universidade precisa de vocês. Uma universidade que se diz da Amazônia não pode prescindir da presença dos povos da Amazônia. Então, vocês são bem-vindos aqui. E estamos à disposição de vocês”. A fala do reitor da Ufopa, Hugo Alex Diniz Carneiro Diniz, na abertura oficial da recepção dos calouros indígenas e quilombolas, destaca a importância dos processos seletivos especiais na construção de uma universidade pública plural e multiétnica na Amazônia.

Promovido pela Pró-Reitoria de Gestão Estudantil (Proges), por meio da Diretoria de Ações Afirmativas (DAA), em parceria com o Diretório Acadêmico Indígena (Dain) e o Coletivo de Estudantes Quilombolas (CEQ), o evento foi realizado no dia 11 de maio de 2018, no auditório Pérola da Unidade Amazônia, Campus de Santarém. Os novos calouros foram apresentados à comunidade acadêmica e participaram de debates sobre a Formação Básica Indígena e a importância dos movimentos sociais de luta na Universidade.

Um ritual indígena, comandado pelo acadêmico indígena Poró Borari, da Pedagogia, celebrou a união entre indígenas e quilombolas, dando boas vindas aos novos calouros: 93 indígenas e 93 quilombolas, que ingressaram na Ufopa por meio de processos seletivos especiais. “Nesse contexto, a Ufopa assume a responsabilidade social de incluir os novos alunos, que vem se juntar aos seus 398 parentes indígenas e 332 quilombolas que já estão estudando na Universidade. Isso demonstra o poder transformador que a Universidade desempenha na vida de cada um, de cada aluno aqui presente", afirmou a Pró-reitora de Gestão Estudantil, Eliane Cristina Flexa Duarte, durante a solenidade.

Da comunidade quilombola do Bom Jardim, situada no município de Santarém, Isabel Ribeiro dos Santos, de 22 anos, passou para a Licenciatura em Letras da Ufopa. Filha caçula, ela é a primeira pessoa da família a ingressar em um curso superior. “Foi um sonho que batalhei bastante durante anos. Sempre sonhei em cursar uma universidade e graças a Deus, através de muita luta do meu povo quilombola, consegui entrar em segundo lugar no curso de Letras”, explicou a caloura emocionada. “É um sonho meu e da minha família, e espero dar o melhor de mim para representar a minha comunidade, a minha origem e a minha cultura aqui dentro”.

Mais contido, Silvanildo Yoto Munduruku, estudante indígena bilíngue de 21 anos, tem o desafio de cursar o Bacharelado em Ciências Biológicas. “Vim aqui para conhecer e mostrar minha experiência na comunidade. Quando eu me formar aqui, vou ajudar a minha comunidade e as crianças da minha aldeia também”. Da etnia Arapium, Susan Michele Nogueira dos Anjos também espera retribuir para sua comunidade a oportunidade de entrar na Ufopa para cursar Letras. “A minha contribuição é essa: quero continuar ensinando Nheengatu para as crianças da aldeia, poque é uma língua que foi tirada da gente”, explica.

Luta e inclusão social - "A entrada de vocês na Universidade não foi fácil, porque representa 500 anos de luta contra a exclusão dos povos indígenas e da população negra brasileira. E, a cada dia, precisamos garantir a permanência dessa política de ações afirmativas, porque ela está sendo cotidianamente ameaçada", destacou, durante o evento, a Pró-reitora de Ensino de Graduação (Proen), Solange Ximenes. “Precisamos juntos, em diálogo, consolidar essa conquista dos movimentos indígena e quilombola, que são os processos seletivos especiais. A Universidade é uma parceira de vocês nessa luta”.

“Entendemos esse momento como uma conquista dos direitos dos povos indígenas e quilombolas e, ao assumir esse compromisso, a Universidade assume a inclusão na perspectiva da diversidade, dos direitos dos povos indígenas e quilombolas, numa luta histórica. Somos uma universidade plural. Nosso dever enquanto instituição formadora é de construção de autonomia, emancipação, do trabalho coletivo e da responsabilidade individual como estudantes, respeitando os valores culturais de cada etnia, de cada povo”, ressaltou a Pró-reitora de Gestão Estudantil, Eliane Duarte.

Para Eliane Duarte, a Ufopa é hoje uma universidade multiétnica, plural, multicampi e transfronteiriça, o que a diferencia das demais universidades do Brasil. “O diferencial da Ufopa no cenário nacional é que somos a Universidade que, pelo quantitativo de vagas disponibilizadas nos processos seletivos especiais, é a que mais inclui indígenas e quilombolas no ensino superior. Por tudo isso a Ufopa é uma universidade ousada, corajosa em relação à política de ações afirmativas”.

Já para o reitor da Ufopa, Hugo Diniz, a Universidade precisa estar próxima das comunidades e das lideranças. “Desde o início do seu processo seletivo especial a Universidade começou essa aproximação e temos que avançar nisso. É o nosso compromisso”, afirmou. “Essa vaga pertence a vocês, mas não pertence só a vocês, pertence a uma comunidade, a uma história. Nós, como universidade, reconhecemos isso e vamos avançar nessa direção, de tratar esse espaço como um resgate, como a conquista de um determinado grupo, de uma luta coletiva”.

Movimento Estudantil – As lideranças dos movimentos estudantis também marcaram presença no evento e deram boas vindas aos recém-chegados. Coordenadora do Coletivo de Estudantes Quilombolas (CEQ), Daniela Bentes, mandou um recado para os calouros quilombolas: "Nós temos um coletivo que ampara vocês, que vai estar guiando vocês dentro da Universidade. Vocês não estão sozinhos”.

Para Daniela Bentes, a luta do coletivo é parte da luta que acontece lá fora também. “O Coletivo é uma parte do movimento lá de fora. Para que a gente estivesse aqui hoje, cursando uma universidade, teve muita luta”, explica. “O movimento quilombola teve vários desafios para conseguir essa conversa com a Universidade, para que pudéssemos estar aqui hoje. Não podemos esquecer, de forma alguma, que os nossos representantes continuam lutando lá fora e nós temos que ajudar daqui de dentro”.

Representante do Diretório Acadêmico Indígena (Dain), Dinacildo Krixi Munduruku, do curso de Engenharia Florestal, falou sobre o papel do Dain no apoio e orientação aos estudantes com vulnerabilidade social. Ele destacou ainda a importância do momento na vida dos calouros. "Esse é o momento que a gente espera quando se vive na aldeia: a expectativa de viver um mundo diferente, mas não conhecemos a realidade como é".

Ele também deu um recado para os calouros: “Aproveitem essa oportunidade, que a gente entra por meio de um processo que é específico para nós e não podemos, por causa disso, desperdiçar. Aqui temos direitos e deveres que temos que cumprir. A nossa responsabilidade não podemos deixar de lado”, ressaltou. “Muitas vezes vamos nos deparar aqui na Ufopa com coisas que não vão agradar muito a gente, mas isso não é para nos desestimular. Aproveitem a oportunidade e sigam em frente”.

Maria Lúcia Morais, Comunicação/Ufopa

Nenhum comentário