Header Ads

test

Sespa capacita agentes de zoonoses em controle da leptospirose




Durante o período de intensas chuvas há o risco de aumento da incidência de leptospirose, doença infecciosa transmitida pela urina de roedores, como rato, ratazana e catita. Só no ano passado, 110 casos foram registrados no Pará, cinco a menos dos confirmados em 2016. O quadro mais grave foi em 2014, com 149 pessoas diagnosticadas com a doença.

No intuito de amenizar esse cenário em 2018, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), por meio da Coordenação Estadual do Controle de Zoonoses, está treinando agentes de zoonoses de diversos municípios na “Capacitação em Controle de Roedores Urbanos para Vigilância em Leptospirose”, que prossegue até quinta-feira (10), na sala Mário de Andrade, do hotel Grand Mercure, em Belém.

O curso, realizado em parceria com a Coordenação-Geral de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, é ministrado pelo biólogo Eduardo de Masi, analista em Saúde e membro da Coordenação do Programa de Vigilância e Controle de Arboviroses da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SP). Mais de 60 profissionais participam da atividade.

De acordo com o médico veterinário Fernando Esteves, coordenador de Zoonoses da Sespa, o objetivo é capacitar agentes de zoonoses nas ações voltadas ao combate aos transmissores. “Nosso objetivo é o controle dos roedores com foco em diminuir os casos de leptospirose, doença transmitida pela urina desses animais”, explicou.

Temática - Entre os temas abordados na capacitação estão áreas de riscos, biologia dos roedores urbanos, técnicas de controle, inspeção domiciliar e em vias públicas, além de aplicação do produto de combate aos roedores, incluindo atividade prática.

Segundo o protocolo do Ministério da Saúde, a leptospirose é doença endêmica, tornando-se epidêmica em períodos chuvosos, principalmente nas capitais e áreas metropolitanas, devido às enchentes associadas à aglomeração populacional de baixa renda, às condições inadequadas de saneamento e à alta infestação de roedores infectados. Algumas profissões facilitam o contato com as leptospiras (bactérias causadoras da doença), como trabalhadores em limpeza e desentupimento de esgotos, garis, catadores de resíduos, agricultores, veterinários, tratadores de animais, pescadores, militares e bombeiros. Contudo, a maior parte dos casos ainda ocorre entre pessoas que habitam ou trabalham em locais com infraestrutura sanitária inadequada, expostas à urina de roedores.

Há registros de leptospirose em todas as unidades da Federação, com maior número de casos nas regiões sul e sudeste. A doença apresenta uma letalidade média de 9%. No Pará, 13 pessoas morreram em 2017 devido a complicações causadas pela doença. No ano anterior, foram 10 óbitos, enquanto 26 morreram em 2015.

Entre os casos confirmados, homens na faixa etária entre 20 e 49 anos estão entre os mais atingidos, embora não haja uma predisposição de gênero ou de idade para contrair a doença. Quanto às características do local provável de infecção (LPI), a maioria ocorre em área urbana, e em ambientes domiciliares.

Nenhum comentário